Image Map

segunda-feira, 27 de julho de 2015

E vamos aos troféus da Hungria. ..a corrida do ano

           TROFÉU MIMIMI :Lewis Hamilton,  você anda se especializando neste troféu...reclamou que o Rosberg te jogou pra fora da pista logo na primeira volta, isso não faz parte de você.....por favor Deus nos devolva o antigo Hamilton por favor, por favor!


          TROFÉU MEU PARÇA: Para Dani Riccardo que deu uma baita força pro Nico não chegar a frente do Lewis, e deu show na pista mostrando porque incomodava tanto o Vettel na RBR.


          TROFÉU PARABÉNS :KVYAT  primeiro pódio  e fez uma ótima corrida e soube aproveitar as oportunidades apresentadas.


          TROFÉU MEU HERÓI: Fernando Alonso, o cara pode até ter feito um teatro ao empurrar o MP 4/30 no sábado, mas mostrou o quanto é o piloto top, o quanto continua tirando leite de pedra, porque é só prestarmos atenção a diferença de posição entre ele e Button; podem até ter tido abandonos mas mesmo assim Alonso foi valente...já deve estar com o F no testamento do tio Ron. ...


          TROFÉU O MAIS PUNIDO DE TODOS OS TEMPOS : Pastor Maldonado, receber três punições numa mesma prova? Confesso que fiquei com dó; o que vamos fazer quando ele não estiver mais na F1? Vai fazer falta para nossas estatísticas.....


           TROFÉU O BAIXINHO DA VEZ: Felipe Massa, atrapalhou a largada porque não conseguiu enxergar a marcação do correta do carro...Oi? Mas ficou claro que o circuito da Hungria não faz bem a ele, o seu próprio acidente que quase lhe custou a vida e também a parte pesada da homenagem a Jules Bianchi o deixou abalado.


          HOMENAGEM A JULES BIANCHI. ..foi singela, bonita....dolorida....emocional. ...vai deixar saudade...o esporte que amamos não pode ceifar vidas assim....Adeus Jules.

          E agora teremos a abstinência ......férias de meio de temporada...como sobreviver? Mas tenho certeza que a dança das cadeiras vai nos animar neste período tão difícil longe da F1...até a próxima pessoal!

1 Comment:

Deborah Lana said...

Ótimo artigo Priscila Uzun